domingo, 19 fevereiro 2017 21:22

[DIA 50] ACREDITAR

Foi um fim de semana duro de trabalho. Há muito tempo que não programava a sério. Depois de passar o sábado a teimar numa pesquisa impossível, hoje bati contra linhas de código que teimavam em não dar certo. Encontrei agora uma solução, não é a melhor, mas funciona. Para já, é tudo o que preciso!
Posso deixar o código por umas horas e voltar às imagens.

Publicado em UK - West Midlands
quinta, 24 novembro 2016 20:47

[78.20116] SER OU NÃO SER

Stratford-Upon-Avon, o berço do pai de Hamlet, Romeu e Julieta, Macbeth... Uma terra onde se sente a Arte nas ruas.

Publicado em UK - West Midlands
quarta, 23 novembro 2016 20:37

[77.2016] A BORDO EU SOU O CAPITÃO

Ontem, enquando vagueava pelo catálogo, de mente vazia, esta imagem trouxe-me à memória a música Sail Away dos Styx.
Hoje, continuo a navegar nesta imagem, continuo a buscar o amanhã em cada margem, continuo a pensar nos amigos, nos sonhos que temos. Falhamos o pote de ouro (muitas vezes) mas vivemos felizes, continuamos a navegar o melhor que sabemos, com esperança.
Já me disseram que falta algo à foto, que não parece minha. Aceito a crítica, talvez eu não estivesse parecida comigo ontem, talvez eu hoje continue a navegar à procura do amanhã.


Publicado em UK - West Midlands
quinta, 27 outubro 2016 19:22

[59.2016] PODE PISAR...

Pode pisar...
... a relva!
Uma das imagens que retenho da primeira vez que visitei Cambridge é de vacas malhadas nos campos verdes à entrada da cidade. E outra imagem que admirei são os jardins e relvados cheios de vida. Amigos, amantes, pais e filhos conversam, riem, brincam ou, simplesmente, aproveitam a liberdade da Natureza.

Publicado em UK - East of England
quarta, 26 outubro 2016 20:50

[58.2916] PRENUNCIO DE TEMPESTADE

Regressamos das viagens mais ricos, novas vivências, novas experiências e vários cartões cheios de fotografias. No meu caso, o numero de fotografias é diretamente proporcional à distância a que estou de casa. Não sei se voltarei, tenho de aproveitar o momento ao máximo.
Destas férias, misturadas com trabalho, trouxe muitas fotografias típicas de turista japonês, aquele que dispara para todos os lados e para tudo, móvel ou imóvel. Foi uma corrida dura, muitos quilómetros percorridos em poucos dias. Ver e rever os pontos principais e seguir para o próximo destino.

Algumas das minhas imagens favoritas foram feitas na berma da estrada, em paragens casuais, entre cidades.

Publicado em UK - South West
terça, 25 outubro 2016 19:37

[57.2016] NUMA FLORESTA MÍTICA

Sei que precisamos de dinheiro para viver e trabalhamos para ganhar dinheiro. Tudo é relativo, depende do trabalho e depende da vida que queremos viver.
Gosto de viajar e para alimentar este e outros vícios preciso do tal dinheiro mas... valerá a pena abdicar do que gostamos para investir no supérfluo?
De que me serve o luxo dum hotel de 5 estrelas, comer num restaurante com empregados vestidos a rigor se, ao regressar a casa, não tenho tempo para saborear as fotos que fiz. Se, para ganhar uns tostões, vou perder dias consecutivos a trabalhar! Um trabalho sub valorizado e mal pago.
Não, para mim, não vale a pena.
Eu gosto é disto. Fotografar, chegar a casa e brincar com as imagens. Poderei publicar ou não, acima de tudo, divirto-me.

Sendo preguiçosa por natureza, carregar mochilas pesadas com objetivas não é meu apanágio. Quando saio para fotografar levo a câmara e uma objetiva. Esta opção tem a vantagem de educar o olhar e faz-nos pensar e ponderar melhor antes de fazer a fotografia.
A escolha é uma questão de sorte. Se vamos fotografar a árvore centenária do Robin Hood a razão diz-nos para não levarmos a teleobjetiva. Apercebemo-nos que a razão erra quando cruzamos o caminho com um esquilo. Se nos aproximarmos demais, ele foge. Se ficarmos longe, a câmara não o vê. Uma certeza tenho, mesmo que levasse a mochila carregada de equipamento, o esquilo não esperava que eu trocasse de objetivas.

Publicado em UK - East Midlands
segunda, 24 outubro 2016 20:32

[56.2016] PERDIDA NO CAMPO

Com o ano no ultimo trimestre, consigo voltar às fotos. Após a entrega dum trabalho e com o próximo numa fase adiantada, decidi parar, antes que perca o sentido de ver. Já noto diferença após quase um ano afastada.
Tenho muitas pastas para organizar, várias imagens para ver.

Hoje regresso a uma estrada de campo, uma pequena aldeia do Condado de York. Foram as lajes dispostas no recinto à volta da igreja que nos fizeram parar mas foi esta bicicleta que despertou a minha atenção, pela forma como reflete toda a essência do ambiente que ali senti. Uma aldeia a tentar acompanhar os tempos modernos.